Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

O que é “NFT”?

Hoje em dia, muita gente já ouviu falar de Bitcoin. Inclusive conceitos como criptomoedas, “blockchain” foram sendo popularizados pela mídia nos últimos anos e já são bem conhecidos pela população em geral.

Como muitas inovações de tecnologia, tais como o SmartPhone e Internet, o bitcoin também se tornou popular. Mas hoje, queremos falar sobre os “NFT”, a sigla em inglês para non-fungible token – ou token não-fungível em Português. Um token é igual a uma chave eletrônica criada por um algoritmo matemático.  O token fica registrado dentro de um blockchain ou uma cadeia de blocos interligados entre si.

Vamos entender do que se trata: sabemos que o blockchain é similar a uma “corrente de blocos”. Em cada bloco dessa corrente estão gravados dados. Cada bloco funciona como se fosse uma gaveta de um armário e guarda informações que podem ser lidas por todos, mas só podem ser modificadas pela dona da chave que abre a gaveta. Funciona como um banco de dados muito seguro e público. 

O NFT só pode ser reproduzido pelo seu criador – como já dissemos é um token não-fungível. O bitcoin também é um token, mas ao contrário do NFT, ele pode ser reproduzido por outras pessoas, pois seu criador, disponibilizou as informações de como criá-lo, por isso é considerado um token fungível.

Como pode ser reproduzido por diferentes pessoas, o bitcoin não é único: existem diversos bitcoins distribuídos pelo mundo. Eles podem ser trocados uns pelos outros, da mesma forma como ocorre com as cédulas de dinheiro: podemos trocar uma nota de 100 Reais por outra nota de 100 Reais ou por duas de 50 Reais, etc.

Devido ao fato que o bitcoin é uma moeda “fungível”, ele é facilmente usado como moeda de troca, enquanto o NFT tem como mérito a capacidade de provar a autenticidade e a unicidade da informação contida nele. 

Por causa dessa característica, um NFT é útil para obras de arte: Leonardo da Vinci só desenhou uma única Mona Lisa e, provavelmente, não queria que outra igual existisse. Muito menos a pessoa que adquiriu a Mona Lisa.

Da mesma forma que o valor da obra está na sua unicidade e na comprovação da sua autoria, ao registrar o  NFT, você garante que ninguém vai poder roubá-lo. É como uma assinatura digital que não pode ser falsificada. O NFT garante ao seu comprador muito mais segurança e confiabilidade.

Nos próximos posts, confira a entrevista com Tarsila do Amaral, uma das mais importantes curadoras de arte do Brasil e conselheira da Elasbank, sobre como a nova onda de NFT está chegando no mercado tradicional de arte.