Dinheiro: pegar emprestado para consumir ou investir?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Ganhamos dinheiro para consumir.

Alguma parte do dinheiro vai para consumos diários, como comida; e outras partes vão para consumos menos frequentes, como a compra de um carro.

A necessidade de antecipar o consumo varia da cada pessoa e sua situação individual: por exemplo, quem estiver com fome quer comer agora. Ou quem precisa de uma nova calça, porque a antiga rasgou quer comprar agora.

Ter dinheiro na mão para consumo imediato pode ser caro, especialmente, se não tiver o dinheiro na conta. E da mesma forma: se for possível adiar o consumo, ganha-se o valor temporal do dinheiro. Enquanto que a taxa de juros é positiva, o consumo futura vai ser mais barato que o consumo hoje.

E como fazer na vida real se não houver dinheiro suficiente para o consumo? Existem principalmente, três formas de ter o dinheiro para consumo: via crédito para o consumo imediato, via investimento para o consumo futuro ou, usando um consórcio que é algo como um investimento com uma opção de antecipar o consumo. Ao invés de um consórcio, outras formas de opcionalidades podem ser criadas, mas todas terão um custo extra.